segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Cozinha econômica (ou... ecológica)

Como disse num post anterior, sou extremamente "mão-de-vaca", odeio desperdícios. Apesar de meus conhecimentos na culinária serem menos que "quase-nada", gosto de inventar algumas coisinhas para evitar ter de jogar fora o que costuma ir pra lata de lixo. Assim, economizo para mim e espero ajudar um pouco a natureza também.

Uma dessas invenções (que não deve ser novidade para ninguém...) é o caldo de legumes que sempre faço pois uso muitos legumes e hortaliças. Simplesmente junto todas as cascas (exceção é cebola e alho... essas cascas já não tem nenhum valor nutritivo), talos e folhas não aproveitados, e cozinho na água (cerca de 5 a 6 vezes o volume dos vegetais) e pouco sal (ca. 1,5 colheres de café) numa panela de pressão, por no mínimo 20 minutos em fogo baixo depois que ferve. Depois bato tudo no liquidificador e coo o líquido que, se não é usado na hora, vai para o congelador em potes de margarina (outra economia, rs). O que sobra na peneira acaba indo pro lixo mesmo, mas então, o seu volume é bem mais reduzido, e é quase só celulose. (Se morasse numa casa com quintal, iria para lá como adubo, como faz miha mãe). Na minha geladeira, tenho um recipiente onde vou guardando essas sobras de vegetais, e a cada 3 dias (é o tempo máximo que estipulei para guardar essas sobras) faço esse caldo que, então, substitui água para cozinhar muitos alimentos, ou servir de base líquida para algum molho ou sopa. E, cada caldo leva uma etiqueta antes de ser congelado para não confundir o sabor e não afetar o visual de um prato na hora de usar. (Não gostaria de ter um brócolis arroxeado devido à presença de beterraba, ou ter o gosto de manjericão "matando" o aroma de alecrim, né)

Outra é "furikake". No Japão, faz-se esse tempero seco para dar sabor ao arroz que lá é sempre cozido sem nada além de água. Eu mantenho esse costume, e acabo usando o meu furikake também no arroz à guiza de um lanche rápido ou almoço, caso tenha arroz de véspera e preguiça de cozinhar sobrando. Mas, devido aos ingredientes, é uma mistura bastante nutritiva. O meu furikake usa as partes não aproveitadas de peixe do mar (nunca fiz isso com peixes de água doce...), sementes de gergelim, "nori" (alga em folha) e algumas folhas de verdura, desidratadas. Eu sempre compro peixes inteiros pois saem bem mais baratos (com exceção de atum e cação, claro, que são peixes enormes - desses, utilizo o seu couro, caso a posta venha com ele). Ao limpar o peixe, separo numa tigela a barrigada e espinhos (com carne entre eles) e base das barbatanas. Só descarto mesmo a cabeça. as escamas e pontas das barbatanas. Coloco esse "resto" de peixe no liquidificador e trituro muito bem (se tiver alecrim fresco, coloco uma quantidade generosa junto; é para diminuir o cheiro durante a fase seguinte). Em uma assadeira de bom tamanho espalho essa pasta numa camada fina, cubro muito bem com papel-alumínio (isso é para manter o forno o mais limpo possível...) com bastante furos feitos com palito para saída de vapor, e asso em forno preaquecido à temperatura moderada a quente (não tenho termômetro, mas deve ser cerca de 200ºC). Quando o peixe se apresentar bastante seco, retiro o papel (a mais ou menos 20 minutos), misturo rapidamente com hashi (famosos palitinhos para comer e cozinhar) para afofar e soltar o peixe do fundo, abaixo a potência para, hm... digamos 170ºC, e continuo assando e mexendo de vez em quando por mais uns 30 minutos ou até que todo peixe fique bem crocante e soltinho. Deixo esfriar bem. Na hora de juntar os ingredientes, torro numa frigideira uma colher rasa de chá (ou um pouco mais, dependendo da quantidade de peixe) de gergelim (preto, mas também dá para misturar partes iguais de sementes pretas e brancas) sem óleo, e em seguida um punhado de folhas já desidratadas (é para deixá-las bem crocantes) também sem óleo. Passo sobre a chama do fogão uma folha de nori, também para ficar bem seca e crocante. Coloco o peixe num recipiente largo e esfarelo os eventuais grumos com uma colher (se encontro algum espinho grande, quebro com a colher ou descarto), esmigalho sobre ele as folhas secas e nori com o dedo, acrescento gergelim torrado e mais ou menos 1/2 colher de chá de sal marinho. Muitas vezes adiciono também um pouco de pimenta calabreza seca, sem as sementes. E, voilà, tenho furikake adaptado à minha moda, rs! Guardo esse tempero numa latinha bem fechada, e o seu prazo de validade é cerca de 6 meses (eu tenho consumido em bem menos tempo que isso, kkk)

As folhas desidratadas são história à parte. Sempre que uso algum vegetal com folha, e conforme o que tenho na dispensa, separo algumas folhas (de aipo, manjericão, rúcula, cenoura, beterraba...) e coloco-as para secar. A operação tem que ser nos dias de bastante sol, sem muita umidade no ar e sem vento forte, embora brisa seja ótima para acelerar o processo. Apesar de morar em apartamento, eu tenho a felicidade de ter uma sacada onde bate bastante sol pela manhã. É onde penduro um cesto de bambu com as folhas, bem separadas entre si, e coberto com tule (o cesto é recolhido todo final de tarde e reposto pela manhã). As folhas demandam um a três dias para ficarem completamente ressequidas, quebradiças. Aí as guardo em latinhas bem fechadas com um saquinho de cal virgem para manter fora a umidade. Uso essas folhas como parte do tempero para muitos pratos, como frango, sopa, peixes... e furikake.

Observação: dá para fazer um excelente furikake com peixe inteiro como cavalinha e sardinha, podendo inclusive usar a sardinha ou manjuba seca (dashijako) disponíveis no mercado. Mas, seja qual for a opção, o peixe tem que ser moído e bem torrado no forno. Também pode-se dispensar o uso de folhas desidratadas, que elas são realmente a minha invenção. O tradicional furikake leva folhas desidratadas de sissô.

E mais uma dica de economia: para aproveitar o calor do forno, costumo sempre assar outra coisa junto com o peixe. Às vezes é o próprio filé do peixe que rendeu o furikake, ou são batatas inteiras (embrulhadas uma a uma em papel alumínio) que depois vou rechear ou fazer purê. Só não dá para assar alimentos que não possam ser cobertos e ou não podem absorver o cheiro do peixe, como pães e doces. (A propósito, espero que sua casa tenha boa ventilação, pois o peixe costuma cheirar forte!)

Última dica: o papel alumínio é material reciclável! Se onde vc mora tem coleta de lixo seco (recicláveis), limpe bem o filme usado e descarte junto com latinhas de cerveja e outros objetos de metal. Ah! e lembre-se que recipientes de marmitex, caixinhas de Tetrapac e bandejas de comida pronta também são recicláveis. Lave-os todos bem, assim como as garrafas de refrigerantes e latas de conservas. Essa limpeza é muito necessária para evitar atrair os vetores (insetos e roedores) nos centros de triagem. Se não tem coleta da prefeitura, entregue os recicláveis nos muitos postos de coleta que há em todas as cidades. Vamos ajudar a natureza, e também a sociedade!

Nenhum comentário:

Agora são...

Links:

Abaixo listo alguns links que visito com freqüência e ou gosto bastante por trazerem informações sempre úteis, críticas e conscientes.

- Cidadania, Política e Consciência Crítica:
. Congresso em Foco: O dia-a-dia do nosso Congresso Nacional;
. Observatório da Imprensa: Olhar crítico sobre a mídia
. Transparência Brasil: Política e políticos sob lente de aumento;
. Deu no Jornal: Banco de dados da corrupção no Brasil;
. Opinião e Notícias: Um jornalismo alternativo, de orientação liberal;
. Montbläat: Um jornalismo independente na net;
. Alberto Dines: Opinião deste isuperável jornalista em blog;
. Escritos Infames: blog do Teócrito Abritta, ambientalista, fotógrafo e escritor;
. Náufrago da Utopia: blog do jornalista Celso Lungaretti, ex-guerrilheiro dos anos de ditadura e eterno combatente das injustiças sociais;
. Humberto Laudares: blog muito lúcido sobre política e economia;
. Direitos Fundamentais: blog do George Marmelstein Lima, focando principalmente a filosofia do direito;

E as leis que devem fazer parte do nosso dia-a-dia:
. Código de Defesa do Consumidor: Lei Federal 8.078;
. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal 8.069
. Estatuto do Idoso: Lei Federal 10.741;
. Lei de Crimes Ambientais: Lei Federal 9.605 (atenção para o artigo 32 que estabelece pena de detenção e multa para maltrato de animais!).

- Meio Ambiente:
. SOS Mata Atlântica: ONG com ações concretas e eficientes para salvar a Mata Atlântica;
. Greenpeace Brasil: ONG bastante atuante na defesa do meio ambiente e animais em perigo de extinção (embora meio fanática e agressiva...);
. Planeta Sustentável: portal de Abril e seus patrocinadores, com artigos e dicas para exercício de cidadania ecologicamente sustável;
. Envolverde: muito bom portal sobre meio ambiente e consciência verde;
. Portal das Energias Renováveis: tudo sobre o mundo da energia;
. Sustentabilidade: ambientalismo focado como negócio.

- Animais de Estimação e Proteção Animal:
. Saúde Animal: bastante útil para começar a entender os nossos animais de estimação e cuidá-los bem (cães, gatos, ferrets, aquarismo, etc);
. ANDA: Agência de Notícias de Direitos Animais - e-jornal em defesa dos animais;
. PEA (Projeto Esperança Animal): OSCIP com site bem detalhado sobre proteção animal e campanhas em todo o território nacional, sediada na Grande São Paulo;
. Beco dos Gatos: tudo sobre gatos, esse fantástico mas injustiçado animal de estimação;
. Gatos do Rio: mais informações sobre gatos, e adoção responsável dos gatos do Rio de Janeiro.
. Adote Um Gatinho: ONG semelhante a Gatos do Rio, porém sediada em São Paulo, SP.

- Culinária:
. Livro de Receitas: um dos sites com maior quantidade de receitas que já vi, para todos os gostos;
. Guia Vegano: receitas, ecologia e proteção animal - tudo num lugar só!
. Receitas Vegan: boas receitas para quem não pretende consumir proteína animal;
. Receita Passo a Passo: blog do Beto, um chef tão caprichoso nos seus posts que é impossível vc errar seguindo as suas receitas, simples mas super saborosas;
. Cantinho Vegetariano: blog da Elaine, onde se encontram excelentes e maravilhosas alternativas culinárias para quem precisa ou deseja deixar de comer carne e derivados.

- Laser, Entretenimento, Conhecimentos Gerais:
. AMG: o mais completo banco de dados sobre música (praticamente todos os estilos internacionalmente conhecidos) - em inglês;
. IMDB: tudo sobre o mundo de cinema - em inglês;
. Observatório: blog de astronomia, com belas fotos do mapa celeste;
. National Geographic: dispensa apresentação; este é original - em inglês;
. SuperInteressante: versão online da revista do mesmo nome;
. É Triste Viver de Humor: blog do Marcelo de Andrade, com charges de humor;
. Terceira Via Verdão: site mantido por torcedores do Palmeiras; eu não sou palmeirense, mas há excelentes artigos sobre o mundo do futebol;
. Futebol & Negócio: blog de vários colaboradores, focando o futebol como indústria do entretenimento.

Ocorreu um erro neste gadget