quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Futebol: falência e teoria

Futebol... devia ser apenas uma opção de laser para o grande público, e fonte de alegrias para os voluntários dirigentes do clube. Mas a realidade não é bem assim, principalmente para os clubes pequenos do interior. A sua maioria está atolada em dívidas, poucas empresas se interessam em patrociná-las, poucos torcedores cuja bilheteria não paga os salários dos seus jogadores, o pouco de renda ainda é desviado para bolsos de dirigentes inescrupulosos, ou é gasto sem planejamento ou definição de prioridades...

Acompanho um desses clubes do interior paulista, e nos quase dez anos não me lembro de ter tido momentos de euforia justificada. Culpa de quem?... Sou uma completa e total ignorante dos meandros do mundo de esportes, mas a situação atual do meu clube chegou a tal ponto que me fez pensar a respeito dos motivos por que esse esporte tão apaixonante não consegue se firmar como uma industria séria e lucrativa para TODOS (e não apenas para os "grandes".)

Legislação:
Penso que, antes de tudo, a legislação atual que aí está desfavorece terrivelmente esses pequenos clubes que não conseguiram até hoje pensar em termos empresariais. Muitos clubes, para escapar à sua própria ignorância na gestão empresarial aplicada, tentam terceirizar o futebol para as empresas "especializadas" em gerenciar um time. Desconheço um clube do interior que tenha tido sucesso, com exceção do Guaratinguetá (mas, até quando?) O meu clube faz parte do universo que teve experiência desastrosa com uma dessas empresas. A que terceirizou o nosso futebol, ao invés de salvá-lo, afundou o clube para divisão inferior e se retirou da cidade em menos de um ano, sem uma justificativa, uma palavra. Na cidade vizinha, o nosso rival amarga a rescisão contratual com uma outra empresa que igualmente afundou o time, e nem saldou a sua parte financeira (e há muitos outros tristes exemplos como o do Matonense...) Quem sabe, uma empresa de estrutura mais sólida e ou com capital estrangeiro consiga lograr uma boa gestão, mas essas não se interessam pelos pequenos...

Há uma incongruência na vocação de um clube e seu time de futebol: o clube é, pela sua definição, uma entidade sem fins lucrativos, enquanto que o seu time é um verdadeiro sorvedouro de verbas e, ao mesmo tempo, um gerador de rendas sem tamanho (se bem sucedido, claro!) Como esperar que os dirigentes sem remuneração e sem dedicação exclusiva pensem em gerir um "negócio" do tamanho de futebol, de fazer disso um negócio viável e rentável? E essa é outra "falha" da lei: ela impede a esses clubes de remunerarem os seus dirigentes. Os clubes, na sua origem, são associações sem fins lucrativos, e portanto obedecem ao Código Civil que não permite a remuneração da sua diretoria.

Entretanto, é permitido contratar e remunerar funcionários. Assim, a grande falha também é do clube que não contrata um profissional competente para dirigir o seu futebol, que é uma atividade COM fins lucrativos. O motivo é a mentalidade dos dirigentes do interior que não consegue se modernizar com a rapidez que o capitalismo atual exige de todos... Somente o tradicional "amor à camisa" não dirige um clube de futebol, e incompetência ou ganância sem escrúpulos favorecem a corrupção, desvio de verbas, amadorismo, compadrismo e... fracasso.

Salários e outras despesas:
Outra "falha" - conjuntural - é a escalada sideral dos salários dos jogadores e técnicos. Sob ponto de vista do atleta que não tem vida útil muito longa, talvez fosse justificável ganhar 3 ou 4 vezes mais que os profissionais de outras atividades, da mesma faixa etária (e isso, para atletas apenas medianos para medíocres). Afinal, o atleta tem que ganhar em 10 anos o que outros ganham em 30, e ainda fazer um pé-de-meia para períodos em que ficam inativos e sem clubes. Mas esse valor salarial é proibitivo para a maioria dos clubes do interior; como pagar uma folha salarial de mais de 100 ou até 200 mil reais somente com a renda das bilheterias? E essa folha de pagamento é "só isso" porque esses clubes são da segunda categoria! A complementação viria da propaganda nos estádios e nos uniformes, mas mesmo esses valores não são significativos para cobrir toda a despesa mensal que vai muito além da folha de pagamento: são material esportivo, transporte, hospedagem e alimentação da equipe, aquisição e manutenção dos equipamentos empregados, remédios e internações... Enquanto que ainda há o agravante de que as empresas não se interessam em patrocinar um time fadado ao fracasso. Quem gostaria de ter o seu nome associado a um fracassado?

Federação, Calendário e Mídia:
Ainda outra falha: o calendário dos campeonatos não é favorável para manter as atividades regulares durante todo o ano. Um campeonato tem duração de 4,5 meses - para clubes que chegam às fases finais - e normalmente há apenas dois campeonatos (da categoria profssional) ao ano disponíveis para clubes pequenos. Para esses clubes que estão com dificuldades financeiras, não é possível manter a sua equipe nos períodos de entressafra quando não há jogos. Assim, os contratos com os atletas, e muitas vezes com a própria comissão técnica, cobrem apenas o período do campeonato. Se um clube é eliminado no meio da competição, os atletas são dispensados antes mesmo do término do seu contrato. Desse modo, o prejuízo é de todos: dos atletas que ficam desempregados e sem onde treinar, dos clubes que têm de recomeçar do zero a cada temporada, e dos torcedores que a cada campeonato têm de conhecer um time novo e desconhecido. E, de quebra, essa realidade trouxe uma total falta de identidade dos jogadores com o seu clube, deste com eles e também dos torcedores com seus jogadores. Os jogadores já não sabem mais o que é "ter amor à camisa", a sua "paixão" pela casa dura apenas o período da duração do contrato. Assim, eles jogam tão somente pelo dinheiro, e não sentem o menor pejo em trocar de emprego, mesmo durante o campeonato de tão curta duração.

Esses contratos "relâmpagos" ainda impedem um clube de obter algum lucro com a "venda" de jogadores de bom desempenho, pois basta ao jogador esperar o fim do seu contrato para assinar com novo clube, sem que o anterior possa reivindicar qualquer participação. A lei garante um repasse da parte do valor obtido nas vendas, mas apenas àquele clube que revelou o jogador, ou apenas quando essa venda é devidamente documentada, como é o caso de venda a um clube do exterior. O meu clube já teve alguns jogadores bons e excelentes. Mas porque não foi o clube onde o atleta iniciou a sua carreira, nunca viu um tostão por parte deles, enquanto eles subiam de notoriedade e no valor de "passe". Muitos ainda foram jogar no exterior depois de uma temporada aqui. Se alguém ganhou algo com isso, não foi o meu clube.

Quanto à Federação Estadual de Futebol, essa está nas mãos dos "cartolas", outro vício que teima em manter o status quo e não se interessa em promover o futebol na sua veradeira vocação democrática: o esporte dos multidões.

E a Mídia - esse verdadeiro 4º Poder que influi decisivamente na opinião pública e tem papel fundamental na condução do destino da nação - não se dá ao trabalho de olhar para a "ralé", buscam ao contrário focalizar cada vez mais os clubes "grandes" elitizando esse esporte que é mantido pela paixão. Como um pequeno clube do interior conseguiria conquistar os torcedores se a mídia não abre espaço para eles?

Por onde começar a mudança?
E qual seria a solução para tantos fatores desfavoráveis? Penso que ela começa com a ATITUDE dos dirigentes do clube. Essa atitude inclui: honestidade, empenho e coragem, e sobretudo TRANSPARÊNCIA e COMPETÊNCIA NA ESCOLHA dos seus auxiliares. A capacidade de planejar a médio e a longo prazos também é imprescindível, mas esse planejamento pode ser feito em conjunto com os profissionais da área que tiverem contratado. Desnecessário frisar que esse planejamento tem que obrigatoriamente incluir a estruturação e manutenção de uma Categoria de Base realmente muito boa e forte.

Claro que lutar contra as muitas dívidas é uma dificuldade imensa e por vezes até desanimadora. Mas, embora muito árduo, o trabalho não é impossível. Para recuperar a confiança da comunidade empresarial que normalmente recusa ajudar um clube de muitas histórias ignominiosas, os dirigentes têm que demonstrar a sua boa índole, capacidade e intenção com muita transparência. E com a divulgação dos planos verdadeiramente exequíveis de reerguimento do clube e acenando com recuperação do capital a prazos não irreais, não haveria empresário que, após cálculos com seus travesseiros, não aceda a ajudar um clube local, ainda mais se esse clube representar a cidade sendo seu cartão de visitas.

Essa é a minha muito pobre análise e minha opinião... Mas vou tentar destrinchar cada um desses tópicos nos próximos posts.

Nenhum comentário:

Agora são...

Links:

Abaixo listo alguns links que visito com freqüência e ou gosto bastante por trazerem informações sempre úteis, críticas e conscientes.

- Cidadania, Política e Consciência Crítica:
. Congresso em Foco: O dia-a-dia do nosso Congresso Nacional;
. Observatório da Imprensa: Olhar crítico sobre a mídia
. Transparência Brasil: Política e políticos sob lente de aumento;
. Deu no Jornal: Banco de dados da corrupção no Brasil;
. Opinião e Notícias: Um jornalismo alternativo, de orientação liberal;
. Montbläat: Um jornalismo independente na net;
. Alberto Dines: Opinião deste isuperável jornalista em blog;
. Escritos Infames: blog do Teócrito Abritta, ambientalista, fotógrafo e escritor;
. Náufrago da Utopia: blog do jornalista Celso Lungaretti, ex-guerrilheiro dos anos de ditadura e eterno combatente das injustiças sociais;
. Humberto Laudares: blog muito lúcido sobre política e economia;
. Direitos Fundamentais: blog do George Marmelstein Lima, focando principalmente a filosofia do direito;

E as leis que devem fazer parte do nosso dia-a-dia:
. Código de Defesa do Consumidor: Lei Federal 8.078;
. Estatuto da Criança e do Adolescente: Lei Federal 8.069
. Estatuto do Idoso: Lei Federal 10.741;
. Lei de Crimes Ambientais: Lei Federal 9.605 (atenção para o artigo 32 que estabelece pena de detenção e multa para maltrato de animais!).

- Meio Ambiente:
. SOS Mata Atlântica: ONG com ações concretas e eficientes para salvar a Mata Atlântica;
. Greenpeace Brasil: ONG bastante atuante na defesa do meio ambiente e animais em perigo de extinção (embora meio fanática e agressiva...);
. Planeta Sustentável: portal de Abril e seus patrocinadores, com artigos e dicas para exercício de cidadania ecologicamente sustável;
. Envolverde: muito bom portal sobre meio ambiente e consciência verde;
. Portal das Energias Renováveis: tudo sobre o mundo da energia;
. Sustentabilidade: ambientalismo focado como negócio.

- Animais de Estimação e Proteção Animal:
. Saúde Animal: bastante útil para começar a entender os nossos animais de estimação e cuidá-los bem (cães, gatos, ferrets, aquarismo, etc);
. ANDA: Agência de Notícias de Direitos Animais - e-jornal em defesa dos animais;
. PEA (Projeto Esperança Animal): OSCIP com site bem detalhado sobre proteção animal e campanhas em todo o território nacional, sediada na Grande São Paulo;
. Beco dos Gatos: tudo sobre gatos, esse fantástico mas injustiçado animal de estimação;
. Gatos do Rio: mais informações sobre gatos, e adoção responsável dos gatos do Rio de Janeiro.
. Adote Um Gatinho: ONG semelhante a Gatos do Rio, porém sediada em São Paulo, SP.

- Culinária:
. Livro de Receitas: um dos sites com maior quantidade de receitas que já vi, para todos os gostos;
. Guia Vegano: receitas, ecologia e proteção animal - tudo num lugar só!
. Receitas Vegan: boas receitas para quem não pretende consumir proteína animal;
. Receita Passo a Passo: blog do Beto, um chef tão caprichoso nos seus posts que é impossível vc errar seguindo as suas receitas, simples mas super saborosas;
. Cantinho Vegetariano: blog da Elaine, onde se encontram excelentes e maravilhosas alternativas culinárias para quem precisa ou deseja deixar de comer carne e derivados.

- Laser, Entretenimento, Conhecimentos Gerais:
. AMG: o mais completo banco de dados sobre música (praticamente todos os estilos internacionalmente conhecidos) - em inglês;
. IMDB: tudo sobre o mundo de cinema - em inglês;
. Observatório: blog de astronomia, com belas fotos do mapa celeste;
. National Geographic: dispensa apresentação; este é original - em inglês;
. SuperInteressante: versão online da revista do mesmo nome;
. É Triste Viver de Humor: blog do Marcelo de Andrade, com charges de humor;
. Terceira Via Verdão: site mantido por torcedores do Palmeiras; eu não sou palmeirense, mas há excelentes artigos sobre o mundo do futebol;
. Futebol & Negócio: blog de vários colaboradores, focando o futebol como indústria do entretenimento.

Ocorreu um erro neste gadget